domingo, 3 de novembro de 2013

PROPOSTA CAMISA PARA REABERTURA DO BEIRA-RIO

Mexendo nos meus arquivos aqui, achei um que julguei bem interessante e que fiz há um tempo atrás simulando a camisa que usaríamos na partida de reabertura do estádio Beira-Rio. Após ouvir alguns boatos de que a NIKE preparava uma camisa totalmente fora do tradicionalíssimo vermelho e branco, resolvi postar este que seria pra mim a camisa ideal para ser usada nesta ocasião ímpar. A camisa nada mais é do que o template da nossa camisa reserva adaptado à nossa camisa vermelha com um detalhe dourado na gola, acompanhado dos "sponsors" e numeração dourados também. O detalhe no meio da camisa faz menção à data comemorativa e ao homenageado Gigante da Beira-Rio. O escudo também tem incrementos como a nossa estrela mundial e os louros dourados, simbolizando uma era de conquistas do passado ligadas à nossa casa. Espero que gostem.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Camisas Inter / Nike 2013

Após algum tempo, volto para postar as camisas titular e reserva da coleção 2013. A camisa vermelha trás 3 tons em diagonal, a gola e as barras do braço totalmente vermelho e a nova fonte são as novidades. A camisa branca segue o template mundial da Nike que cai como uma luva na nossa tradicional camisa reserva. O "v" em vermelho na gola quebra um pouco a prevalência total do branco. Pra mim as duas estão na medida certa. Elegância e tradição andam juntas nessas camisas.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Camisa de goleiro 2012

A pedido do Juninho fiz a terceira camisa de goleiro do Inter em 2012. Essa camisa segue o mesmo template da preta e também da cinza, mudando somente a cor do detalhe lateral  que é um rosa alaranjado. Essa camisa só foi usada em jogo pelo goleiro Muriel em 2012.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Fonte Internacional / Nike 2013

Após usar a fonte de 2012 no lançamento e em alguns jogos com a nova camisa Nike 2013, finalmente foi lançada oficialmente a  fonte 2013. Trata-se de uma versão fonte utilizada nas últimas temporadas na camisa do Boca Jrs. da Argentina. O padrão segue para todos os clubes brasileiros patrocinados pela Nike.

sábado, 1 de junho de 2013

Falcão

Eu gostaria de encerrar esta série com chave de ouro, simplesmente com o nome mais expoente da gloriosa história colorada. Paulo Roberto Falcão é uma espécie de divisor na história não só do Inter mas também do futebol gaúcho. O que dá para dizer de uma pessoa que forjou o seu coloradismo carregando tijolos para ajudar na construção do Beira-Rio na década de sessenta? Neste mesmo estádio brilharia toda a majestade do seu magnífico e elegante futebol na década seguinte. Em 1973 Falcão foi lançado ao time profissional  e a partir dali foram sete temporadas inesquecíveis na história colorada. Foi campeão gaúcho em 1973, 1974, 1975, 1976 e 1978 e Tricampeão Brasileiro em 1975, 1976 e 1979, este último invicto. Falcão foi para o Roma, onde é reverenciado até hoje por levar o clube à conquista do campeonato italiano (1983) depois de 31 temporadas em branco. A manchete do jornal Gazzetta dello Sport trazia em destaque: "Falcão, tu fostes ungido como o oitavo Rei de Roma" após a conquista. Não bastasse a reverência já conquistada, Falcão conquistou como treinador do Inter um dos mais emocionantes campeonatos gaúchos da história, quando venceu o duelo técnico contra o ídolo rival dentro do Estádio Olímpico, marcando ainda mais o seu nome na   história colorada como O Maior Ídolo Colorado de Todos os Tempos.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Fernandão

Fernandão chegou ao Inter em 2004 e logo no seu primeiro jogo marcou o milésimo gol em grenais. Aquele seria o marco da chegada de um eterno ídolo colorado. A liderança técnica e o comando dentro do campo fizeram de Fernandão uma referência durante os 4 anos em que defendeu a camisa vermelha. De tudo o que se pode esperar de um capitão, Fernandão fez melhor. A sua imagem levantando a taça do mundial de 2006  não sairá da memória nem dos murais do Inter ao longo dos séculos. De 2004 a 2008, conquistou os principais títulos que o clube poderia almejar, a tríplice coroa (Libetadores e Mundial 2006 e Recopa 2007), sendo ainda campeão gaúcho em duas oportunidades (2005 e 2008) e campeão da Dubai Cup (2008).

quarta-feira, 22 de maio de 2013

D'Alessandro

D'Alessandro chegou ao Inter no ano de 2008 e logo apresentou suas credenciais de craque quando comandou a equipe na conquista da Copa Sulamericana. O estilo combinando habilidade, combatividade e coração, conquistaram a torcida colorada desde o início da sua passagem pelo Beira-Rio. Atualmente, é sem dúvida, o melhor e mais expressivo jogador do elenco colorado. D'ale tem se tornado um colecionador de títulos e marcas pelo colorado nestas cinco temporadas que está no clube. D'Alessandro, com certeza será lembrado para a posteridade como um dos melhores jogadores que vestiram a camisa vermelha. Dentre as conquistas mais relevantes estão 4 gauchões (2009, 2011, 2012 e 2013), 1 copa Suruga Bank (2009), 1 Recopa Sulamericana (2011), 1 Copa Sulamericana (2008) e 1 Copa Libertadores (2010).

domingo, 19 de maio de 2013

Fernando Carvalho

Fernando Carvalho iniciou a sua tragetória como dirigente do Inter em 1982 e atuou em diversos setores do clube, entre eles o comando do futebol as categorias de base nos anos 80 e 90. Mas foi  em 2002 que conseguiu alcançar a presidência do clube. Em 2002 foi da glória com o título gaúcho ao desespero no final do ano com a possibilidade real de rebaixamento no final do campeonato brasileiro. Após o maior susto da gestão, foi campeão em 2003, 2004 e 2005, tornando-se tetracampeão gaúcho. O destino reservou a maior glória para o ano de 2006, quando cravou o seu nome como maior presidente do Inter de todos os tempos, após conquistar nossa primeira Libertadores e o Mundial de clube no Japão. Fernando Carvalho voltou em 2010 para comandar o vestiário no bicampeonato da Libertadores.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Abel Braga

Abel braga tem uma longa relação com o Internacional. Já em 1988 e 1989 treinou o colorado pela primeira vez ficando com o vice-campeonato brasileiro em 88 e caindo nas semifinais da libertadores de 89. Voltou na temporada de 95 e pouco pode fazer. Mas o seu momento estava guardado, e em 2006 a história fez justiça ao seu grande talento como treinador de futebol, quando Abel conquistou os principais títulos do clube comandando o time à beira do gramado. Marcado pelo seu estilo motivador, Abel Braga ficará para sempre no coração dos torcedores colorados.

domingo, 12 de maio de 2013

Figueroa

"A grande área é minha casa. Aqui só entra quem eu quero". Essa frase célebre marcou a passagem do maior zagueiro da história do Inter. Don Elias chegou em 1971 e ficou até 1976, conquistando seis títulos gaúchos na sequencia além do Bicampeonato nacional em 1975 e 1976. Toda sua elegância ficou eternizada em um lance da final do brasileirão de 1975, quando em meio a um único raio de sol de uma tarde nublada, subiu para marcar de cabeça o gol do título contra o Cruzeiro no Beira-Rio. O gol iluminado passeia na memória dos colorados para sempre.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Iarley

Iarley chegou a Inter em 2005 e encaixou como uma luva na formação do time que iria ser campeão mundial um ano e meio depois. Seu espírito guerreiro e de liderança técnica dentro de campo marcaram a sua passagem pelo clube. Isso ficou evidenciado e marcado na memória dos torcedores na vitória sobre o Barcelona no Japão, quando assumiu o papel de líder após Fernandão deixar o gramado. Foi dele a assistência para o gol mais importante na história do Internacional. Em três anos de clube (2005 a 2008), conquistou a Tríplice Coroa (Libertadores, Mundial e Recopa), a Dubai Cup e o campeonato gaúcho em 2008.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Leandro Damião

Leandro Damião é um caso raro de sucesso para um jogador que não teve os fundamentos de base de um clube profissional. Damião saiu dos campos da várzea da periferia de São Paulo para se destacar no campeonato catarinense defendendo o Atlético de Ibirama. Em 2009 chegou ao Inter e em 2010 já era aproveitado no time profissional, chegando a fazer um gol na final da Libertadores contra o Chivas no Beira-Rio. A partir daí sua acensão foi meteórica, conquistando vários títulos pelo Inter, incluindo a Libertadores (2010), a Recopa (2011) e o Tricampeonato gaúcho (2011, 2012 e 2013).

sábado, 4 de maio de 2013

Ênio Andrade

Seu Ênio, como ficou conhecido nos bastidores do Beira-Rio, era um técnico com a cara do Internacional. Arrojado, conhecedor de futebol, Ênio Andrade ficou conhecido pela capacidade de mudar o panorama de uma partida com placar desfavorável. Foi assim em 1979 na campanha do tri-invicto, quando levou o Inter a um feito inédito até os dias de hoje. Em 23 jogos, 17 vitórias e 6 empates, Ênio Andrade colocou seu nome no rol dos maiores treinadores do Internacional. Treinou o Inter em mais três oportunidades e teve sucesso em vários outros clubes do Brasil como Cruzeiro, Coritiba e Palmeiras.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Teté

José Francisco Duarte Junior, ou simplesmente Teté foi um técnico notável que treinou o Inter nos anos 50. Teté teve a tarefa de montar um time logo após o desmanche do Rolo Compressor dos anos 40. Fez isso com muita maestria e, contando com jogadores do quilate de Larry, Bodinho, Salvador e Milton Vergara, montou o Rolinho, time que foi tetracampeão gaúcho (1950 a 1953) e campeão em 1955. Em 1956, Teté teve a honra de treinar a seleção brasileira na conquista do Panamericano do México com a base do time praticamente toda colorada. Teté era oficial da reserva do exército por isso era chamado de "O marechal das vitórias"

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Carpegiani

Paulo César Carpegiani chegou ao Inter em 1970. Originalmente jogava futebol de salão em Erechim e com muita habilidade, domínio de bola, visão de jogo e passes perfeitos, encaixou no timaço dos anos 70. Juntamente com Falcão e Caçapava, Carpegiani era o toque de classe que dava ritmo e um toque de classe ao inesquecível meio campo colorado da década de 70. P.C. Carpegiani participou da conquista de sete campeonatos gaúchos do octacampeonato (1969 a 1976) e foi bicampeão brasileiro (1975 e 1976) com a camisa vermelha.

terça-feira, 30 de abril de 2013

Salvador

Que o Inter é um grande exportador de craques todos sabem devido ao nosso vasto Celeiro de Ases. O que poucos sabem é que isso não é uma atividade recente. Já nos anos 50, quando isso não era tão popular quanto hoje, o Inter já iniciava esse tipo de atividade. Esse é o caso do jogador Salvador, que participou Rolinho, juntamente com Larry, Bodinho e Milton Vergara. Salvador destacava-se pelo sua arrancada, passes perfeitos e visão de jogo. Após destacar-se e ser campeão gaúcho em 4 anos (1951, 1952, 1953 e 1955) Salvador foi vendido ao Peñarol do Uruguay e posteriormente ao Rive Plate da Argentina onde também foi ídolo. Salvador foi, sem dúvida, um dos melhores meio campistas que envergaram a camisa vermelha.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Adriano Gabirú

Carlos Adriano de Souza Vieira, ou simplesmente Adriano Gabiru, é o nome do jogador que finalizou com maestria e frieza a jogada que resultou no gol mais importante da história do Inter, na majestosa vitória contra o Barcelona no Japão em 2006. Por muitas vezes contrariado pela torcida colorada, Gabiru deu a volta por cima e marcou se nome na história do Inter após entrar no lugar de Fernandão e garantir a vitória nos minutos finais da grande decisão. Adriano Gabiru ficou somente uma temporada no Inter e conquistou os principais títulos do clube (Libertadores e Mundial 2006).

domingo, 28 de abril de 2013

Christian

Christian é mais um ase do nosso Celeiro de Ases. Saiu da categoria de base para o profissional em 1992, quando foi tentar a carreira em Portugal. Voltou em 1996, mas somente em 1997 despontou como grande centroavante, marcando nada menos do que 23 gols no campeonato brasileiro daquele ano. Essa marca é um recorde absoluto entre os artilheiros colorados nesta competição. Também foi campeão gaúcho em 1997 ao lado de Fabiano, formando uma dupla inesquecível. Em 1999 Christian transferiu-se novamente para a Europa, agora amplamente reconhecido. Voltou ao Inter em 2007 para ser campeão da Recopa Sulamericana. O Deus Negro Colorado merece o seu lugar na galeria dos Heróis Colorados.

sábado, 27 de abril de 2013

Paulinho

Jogador de classe, habilidoso, com categoria exuberante e liderança. Essas foram algumas das características que Paulinho apresentou nos anos de Internacional. Capitão Piranha, como ficou conhecido pelos seus dentes potuberantes, foi eleito três vezes o melhor lateral-direito da história do Inter em enquetes realizadas pela revista Placar, nos anos de 1982, 1994 e 2006. Paulinho foi o grande líder do Rolinho, time que sucedeu o Rolo Compressor nos anos 50 e conquistou 3 vezes (1951, 1952 e 1953) o título gaúcho pelo Inter.

sábado, 20 de abril de 2013

Bibiano Pontes

Bibiano Pontes vestiu a camisa do Inter por 10 anos consecutivos e envergou a camisa vermelha em 524 partidas no total, perdendo apenas para o insuperável Valdomiro (805 jogos). De 1965 a 1975, Bibiano conquistou muitos títulos como o hepta campeonato  gaúcho em 1975 e o primeiro título brasileiro no mesmo ano, atuando ao lado de ninguém menos que Dom Elias Figueroa, formando uma dupla inesquecível até os dias de hoje.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Nilmar

Nilmar passou das categorias de base ao profissional do Inter em 2003, despontando como uma grande promessa em uma fase de reformulação do clube. A sua impressionante velocidade aliada com sua habilidade e controle de bola fizeram de Nilmar um ícone da camisa 9 colorada. Marcado pelos seus golaços, Nilmar voltou ao Inter em 2008 para ser campeão da Copa Sulamericana, fazendo o gol do título no Beira-Rio. Com a camisa do Inter foi campeão gaúcho em 2003, 2004, 2008 e 2009, campeão da Copa Sulamericana em 2008, campeão da Dubay Cup em 2008 fazendo um gol de bicicleta contra a Internazionale da Itália.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Luis Carlos Winck

Luis Carlos Winck saiu da base do Inter, profissionalizando-se em 1981, e fez parte do time tetracampeão gaúcho no início dos anos 80. Tinha velocidade, força na marcação, bom passe e chegava com muita qualidade no fundo do campo para fazer os cruzamentos para área, uma de suas especialidades. A camisa numero 2 do Inter foi vestida e defendida por Winck durante quase toda essa década, durando e 1981 a 1989. Foi convocado para a Sele-Inter da olimpíada de 1984 e para a   seleção olímpica de 1988, trazendo pra casa duas medalhas de prata, um feito para poucos atletas brasileiros. Em 1991 voltou ao Inter para ser campeão gaúcho daquele ano.

sábado, 9 de março de 2013

Valdomiro

Valdomiro Vaz Franco, este é o nome do jogador que mais vezes defendeu a camisa colorada dentro das quatro linhas. Em 14 anos como jogador do Inter Valdomiro entrou em campo mais de 800 vezes, recorde absoluto na história colorada. O eterno camisa 7 chegou ao Inter em 1968 e começou a empilhar taças no ano seguinte, fazendo parte de todos os times do octacampeonato gaúcho (1969 a 1976), conquistando ainda mais dois campeonatos gaúchos (1978 e 1982) e o tri brasileiro da década de 70 (1975, 1976, 1979).

sábado, 2 de março de 2013

Clemer

O goleiro Clemer tem uma história ímpar defendendo a camisa colorada. Desde que chegou ao clube, em 2002, assumiu a posição de líder dentro e fora da cancha. Suas defesas e sua liderança fizeram dele um grande herói colorado, principalmente no nosso jogo mais importante, a final do mundial contra o Barcelona em 2006. Neste jogo Clemer segurou as fortes investidas do time catalão, principalmente os chutes assustadores de Deco e Ronaldinho Gaúcho. Em 8 temporadas como goleiro do Inter, Clemer colecionou títulos e não passou nenhuma temporada em branco, conquistanto no total 12 títulos oficiais, dentre eles 1 mundial de clubes (2006), 1 libertadores da américa (2006), 1 Copa Sulamericana (2008), 1 recopa sulamericana (2007), uma copa Suruga Bank (2009), 6 campeonatos gaúchos (2002, 2003, 2004, 2005, 2008 e 2009) além de 1 Copa Dubai (2008).

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Fernandez

Gato Fernandez, assim ficou conhecido um dos melhores goleiros que defenderam as redes coloradas. Ágil como um gato, notabilizou-se por muitas defesas "impossíveis", mas foi em um grenal pela copa do brasil de 1992 que ele entrou para a galeria dos ídolos colorados. Naquele jogo a vaga para as semifinais foi decidida nos penaltis e "El gato" catou 3 penalidades e nos fez avançar rumo ao título. De 1991 até 1993, Fernandez ganhou dois títulos estaduais (1991 e 1992) e um título da copa do brasil (1992).

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Manga

Manga foi, segundo a crítica especializada, um dos melhores goleiros da história do futebol brasileiro. Chegou no Inter em 1974 vindo do Nacional-URU e ficou até 1976. Nesse pequeno intervalo de tempo Manga conquistou nada menos do que 5 taças pelo colorado, sendo 3 campeonatos gaúchos (1974, 1975 e 1976) e 2 brasileiros (1975 e 1976) colocando o seu nome na história do Inter. Para alguns foi o melhor goleiro que vestiu a camisa colorada.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ceará

Marcos Venâncio de Albuquerque, nome do lateral dieito Ceará, chegou ao Inter em 2005 vindo do São Caetano. Determinado e muito disciplinado taticamente Ceará teve a sua atuação máxima no Inter no nosso pincipal jogo, a final do mundial de 2006. Foi incumbido de marcar o principal jogador da época, Ronadinho Gaúcho, e desempenhou a sua função com maestria a ponto de ser lembrado para sempe na memória dos colorados por ter ajudado-nos a erguer a nossa principal taça. Pelo Inter, Ceará venceu os três títulos internacionais que nos deram a tríplice coroa (Libertadores 2006, Mundial 2006 e Recopa 2007).

sábado, 12 de janeiro de 2013

Célio Silva

Célio Silva jogou no Inter de 1991 até 1993 quando transferiu-se para a europa. No clube conquistou uma copa do brasil (1992) e dois campeonatos gaúchos (1991 e 1992). O jogador entrou para a história do colorado quando assumiu  a responsabilidade de bater o penalti aos 38 do segundo tempo na final da copa do brasil de 1992 contra o Fluminense no Beira-Rio. Célio Silva chutou com força e no meio do gol, o chute saiu rasteiro e estufou a rede dando-nos um título nacional depois de 13 anos. Não há colorado que não lembre desta cena.